Algumas perguntas que Juliu Horvath, cirador do Gyrotonic, respondeu à Revista Marie Claire:
MC – Como veio a idéia de desenvolver o método?
JH
– Depois de sofrer uma lesão no calcâneo, tive que abandonar a carreira de primeiro bailarino. Então mergulhei numa intensa pesquisa focando principalmente na prática de ioga e acupuntura. Durante esse processo e observando atentamente os elementos da natureza, como as ondas do mar e os movimentos dos animais, passei a compreender melhor o funcionamento interno do corpo. Nos anos 80, abri o primeiro estúdio em Nova York.
MC – Quais os principais benefícios do Gyrotonic?
JH
– A movimentação rítmica da coluna melhora a circulação, gera o aumento do espaço e da mobilidade articular e o alinhamento da estrutura óssea, levando a uma melhor postura e total equilíbrio. Além de moldar o corpo, fortalece o sistema imunológico, combate déficit de concentração e outros reflexos do stress, melhora a qualidade do sono e proporciona sensação de bem estar.
MC – Ele pode ser comparado a terapias como RPG ou rolfing no que se refere a correção postural? É liberado também para quem tem problemas de coluna?
JH
– O RPG é uma abordagem terapêutica que
trabalha o corpo de forma estática. O Gyrotonic é uma reeducação postural global, não pelo trabalho estático mas pelo dinâmico, funcional. Sendo assim, eu diria que é uma reeducação funcional global. Como o rolfing, o  método Gyrotonic também promove a liberação fascial, reequilibra os tecidos musculares e ósseos, porém não é uma técnica de terapia manual. O acesso às transformações e reprogramações acontecem por meio do movimento. E, sim, é indicado não apenas como método preventivo, mas também na reabilitação de lesões em geral.
MC – O aparelho/método tem alguma contra-indicação?
JH
– Não existem contra-indicações. O trabalho respeita o limite de cada indivíduo. É indicado para pessoas de qualquer idade e das mais variadas realidades. Pode, inclusive, ser praticado por gestantes, auxiliando o restabelecimento pós-parto.

  
Fonte: Site da Revista Marie Claire

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *